Recursos Humanos

COVID-19 e demissões: O direito de estabilidade provisória das gestantes

15/4/2020

Por

Pipo Saúde

Jul 21, 2020

Por

Pipo Saúde

21/7/2020

COVID-19 e demissões: O direito de estabilidade provisória das gestantes
Tempo de leitura

Nosso texto de gestantes da semana passada desencadeou tantas perguntas que decidimos fazer um repeteco do tema, mas agora contar um pouco sobre demissões e o direito de estabilidade provisória das grávidas.

🦠 O coronavírus chegou chegando. Além de ser por si só um problemão, ele trouxe consigo exposição de várias outras questões que precisamos (urgentemente) resolver na nossa sociedade – incoerências políticas, a confusão entre opinião e ciência, a falta de incentivos à pesquisa e a desigualdade social são só algumas poucas delas. E com esse cenário, era bem provável que a economia também se abalasse: existem estimativas de que o número de pessoas desempregadas vai aumentar em aproximadamente 2,5 milhões por conta da pandemia. 😔 E a pergunta que muita gente se faz todo dia é: “será que eu serei a(o) próxima(o)?”

.Infelizmente, não temos essa resposta pra você (e, se tivéssemos, iríamos querer que fosse “não”). Mas viemos compartilhar com as futuras mamães 🤰 os seus direitos como funcionárias gestantes. Como comentamos no post sobre fluxo hospitalar de gestantes com suspeita de COVID-19, sabemos que a gravidez é um período bem delicado e, quanto mais informação confiável e menos preocupação desnecessária você tiver, melhor, né? 🥰

📅 A maioria das pessoas já ouviu falar em licença-maternidade: ela está prevista na nossa Constituição e consiste no direito social da gestante de se afastar do seu emprego durante 120 dias sem prejuízo do seu salário. No geral, o início desse afastamento deve ocorrer entre 28 dias antes do parto e a data de nascimento do bebê (atualmente, está em trâmite no STF um processo que pretende postergar o início para mães de bebês prematuros para depois da alta hospitalar. Já existe uma decisão provisória acatando o pedido).

🔗A licença-maternidade é incrível e ainda vamos falar mais sobre ela num futuro próximo, mas o direito protagonista da vez é a estabilidade provisória: ela assegura o emprego das funcionárias gestantes desde o início da gravidez até 5 meses após o parto. Ou seja, durante esse período, gestantes não podem ser demitidas sem justa causa, sob pena de indenização. Esse é um direito de todas as celetistas, mesmo na hipótese de contrato temporário.

📜 Muitos processos já surgiram por conta dessa norma. Uma das grandes discussões se refere ao momento em que se inicia a estabilidade provisória: é a partir do momento em que a gestante descobre a gravidez? É a partir da comunicação da funcionária à empresa sobre o estado gravídico? 🤔 As decisões do Judiciário vão no sentido mais objetivo, defendendo que o que vale é a data da concepção em si, o dia em que a gestante engravidou.

Então, se uma funcionária for demitida em abril, mas, em maio descobrir que estava grávida desde março, ela tem direito à estabilidade provisória. Na prática, isso quer dizer que se uma gestante for demitida e depois da demissão vier a descobrir gravidez que já existia no momento da demissão, o empregador pode ser obrigado a re-contratá-la ou, se isto não for possível, indenizá-la 💰. Isso se aplica mesmo que o momento da concepção tenha ocorrido durante aviso prévio trabalhado ou indenizado.

📝 Resumindo: a estabilidade provisória se aplica a todas as mamães celetistas, inclusive as com contratos provisórios. O direito tem início concepção da gravidez e se estende até o 5° mês após o parto. Durante esse período, gestantes têm garantia de manutenção do emprego. Se forem demitidas nesse tempo, devem ser re-contratadas ou indenizadas (se você se encontrar nesta situação, tente primeiro resolver o problema amigavelmente com a empresa! Processos judiciais costumam ser bem estressantes 😓. Caso decida ou precise judicializar, procure um(a) advogado(a) de confiança pra te orientar).

Somos em várias mulheres aqui na Pipo e sabemos que a sociedade e o mercado de trabalho ainda precisam passar por boas transformações para se tornarem mais acolhedores conosco, principalmente com as gestantes e as mães. A estabilidade provisória não acaba com esse problema de desigualdade, mas, pelo menos, dá um pouco de paz de espírito por garantir uma fonte de renda num momento delicado. E uma neura a menos em momento de pandemia e crise generalizada é tudo o que nós da Pipo queremos te dar. 🤗

No mais, mamães, se cuidem bem, dêem preferência para a telemedicina (saiba mais com a sua Operadora) e fiquem seguras em casa! 💙

Ainda ficou com dúvidas? Divide com a gente através do meajuda@piposaude.com.br

Se você trabalha no RH da sua empresa, divida esse conteúdo com os colaboradores. Temos certeza de que vai ser muito útil no momento atual.

Quer saber mais como a Pipo pode te ajudar a encontrar benefícios de saúde que dá match com a sua empresa? Clique aqui, preencha o nosso formulário e a nossa equipe entrará em contato (digital hehe).

Atendente

Pronto para simplificar a gestão de saúde da sua empresa?

Comece agora uma nova relação com o plano de saúde da sua empresa.

Quero uma cotação

Posts recomendados